Formação Profissional

Sabia que o trabalhador tem direito, em cada ano, a um número mínimo de 35 horas de formação profissional contínua, que podem ser antecipadas ou diferidas por quatro anos, de acordo com o plano plurianual de formação elaborado pelo empregador?

A Medilogics oferece um programa de formação profissional que assenta em horários curtos, modulares e com conteúdos muito práticos. Assim, é possível desenhar uma formação regular e multi conteúdos para os seus colaboradores, fácil de concretizar. Além disso , a formação Medilogics, está pensada para corresponder ao imperativo legal no que respeita à formação de trabalhadores.

Eis alguns exemplos do programa de formação Medilogics:

  • Gestão da segurança, higiene e saúde no trabalho.
  • Segurança contra incêndios.
  • Segurança na construção civil.
  • Prevenção de riscos em trabalhos em altura.
  • Doenças profissionais e medidas de prevenção.
  • Legislação laboral e obrigações legais das empresas.
  • Ergonomia e lesões músculo-esqueléticas.
  • Higiene pessoal e das instalações.
  • Armazenagem e preparação dos alimentos.
  • Trauma, socorro e modos de prevenção.

Formação Profissional – Para inscrições e mais informações por favor contacte-nos através do email formacao@medilogics.pt

Veja o calendário de formação profissional.

PERGUNTAS FREQUENTES.
O QUE É FORMAÇÃO CONTÍNUA?

Por formação contínua entende-se o processo de aquisição de conhecimentos, desenvolvido após a formação profissional inicial. Tem como finalidades a adaptação do trabalhador às transformações tecnológicas, técnicas e organizacionais, melhorar a sua empregabilidade e aumentar a competitividade e a produtividade da empresa.
A responsabilidade pela formação contínua está atribuída por lei ao empregador.

QUAIS SÃO OS DIREITOS DO TRABALHADOR EM MATÉRIA DE FORMAÇÃO?

O trabalhador tem direito, em cada ano, a um número mínimo de 35 horas de formação contínua, que podem ser antecipadas ou diferidas por quatro anos, de acordo com o plano plurianual de formação elaborado pelo empregador.
Após o termo deste período de dois anos, o trabalhador fica com um crédito de horas de igual numero para frequentar formação por sua iniciativa. Neste caso, o trabalhador deve comunicar ao empregador a sua intenção de frequentar formação por sua iniciativa com a antecedência mínima de 10 dias.
A formação frequentada pelo trabalhador dá ainda direito à emissão de certificado de formação e a registo na Caderneta Individual de Competências do Trabalhador, nos termos do regime jurídico do Sistema Nacional de Qualificações.
Dando-se o caso do empregador não assegurar ao trabalhador, ao longo de dois anos, as 35 horas de formação anual, fica o trabalhador legitimado a utilizar o crédito de horas correspondente ao número mínimo de horas de formação anual que não recebeu, para frequência de acções de formação por sua iniciativa.
Neste caso, o trabalhador deve comunicar ao empregador a sua intenção com a antecedência mínima de 10 dias e a formação por si escolhida deve ter correspondência com a actividade prestada, respeitar a tecnologias de informação e comunicação, segurança e saúde no trabalho ou língua estrangeira.
As horas de formação não organizadas pelo empregador convertem-se, quanto aos trabalhadores não contemplados por essas horas, em créditos acumuláveis ao longo de três anos, findo os quais cessa.
O exercício do direito de utilização dos créditos de horas de formação acumuladas da escolha do trabalhador podem e devem ser utilizados durante o período normal de trabalho.

( fonte http://www.act.gov.pt )

Deixe uma resposta